quinta-feira, julho 07, 2016


Inerte, imóvel, paralisada
O mundo se move abaixo de mim
Permaneço assim, estagnada
Sem saber se isso terá fim

Vejo passar várias vidas
Diante de meus pés descalços
Muitas chegadas e partidas
Alegrias e vários percalços

O não pertencimento faz parte
Daquilo que chamo de eu
Um pequeno universo à parte
Cheio de dúvida e de breu

O tempo passa cada vez mais veloz
E eu não tenho paciência

quarta-feira, abril 27, 2016


Inventei você pra me distrair
Inventei outro eu pra você gostar
Nesse jogo fui em que me perdi
Sem saber como nos desinventar

Quebra-cabeça de peças falsificadas
Retrato de um sorriso fingido
Um infinito de palavras não faladas
Um adeus ao que poderia ter sido

quarta-feira, maio 20, 2015


Eu não consigo respirar
Eu não consigo me mover
Não consigo sair dessa teia
Que construí pra me proteger

Eles estão ao meu redor
Divertem-se ao ver minha tristeza
O meu medo me paralisou
Fez de mim minha própria presa

A vida ainda existe lá fora
Embora aqui já não reste mais nada
Apenas uma velha aranha
Triste, sozinha e amargurada


Eu gostaria de ser como os outros
Com seus sorrisos imaculados
E seus defeitos envoltos
Em belos envelopes vedados

Suas frases bem articuladas
Seus perfumes inebriantes
Suas festas iluminadas
Seus olhares apaixonantes

O brilho de uma juventude
Que eu sinto ter perdido
No meio de tanta quietude

quinta-feira, março 05, 2015


Tem dias que a gente cansa
de tentar fingir que tá tudo bem
de forçar um sorriso amarelo
de lutar pelas nossas causas
- que a gente pensava serem compartilhadas
mas são só nossas mesmo -
de assistir ao mesmo espetáculo
de fingir que acredita na felicidade alheia
de ver pessoas ruins se dando bem
de ver pessoas do bem se dando mal
de não poder voltar no tempo
de não poder acelerar o tempo
de ter um trabalho exaustivo
de não ter trabalho, nem dinheiro
de se deixar consumir pela tristeza
de ver o mundo ser destruído
por pessoas
como nós

quinta-feira, novembro 13, 2014


A tristeza é o pior de todos os vícios
Nos domina e nos mata vagarosamente
Da esperança, elimina quaisquer resquícios
Da angústia, nos torna dependente

Mas só por hoje, não vou chorar
Só por hoje, enxergarei meu futuro
Só por hoje, vou me levantar
Só por hoje, sairei do canto escuro

Quebrarei todas as amarras
Que eu mesma construí em mim
Enfrentarei todas as barras
E lutarei com toda força até o fim

quarta-feira, setembro 17, 2014

Aquele olhar que eu tanto conhecia
Se perdeu em diferentes horizontes
O tempo veio de repente e levou tudo
Transformando em muro nossas pontes

Tantos sentimentos sinceros trocados
Tantos segredos, abraços e carinhos
Tantas lágrimas e conselhos dados
Tantas pedras em nossos caminhos

Parecia que tudo poderia ser superado
Por um companheirismo maior que tudo
Mas mesmo com muito amor e cuidado
O nosso mundo mudou e ficou mudo

Conheço a instabilidade da vida
E sei que nada permanece igual
Mas é triste constatar a partida
De algo que parecia tão real

quinta-feira, agosto 14, 2014

Meu ódio é um monstro
que se alimenta da minha paz
me acorda no meio da noite
e não me deixa dormir mais

Essa criatura voraz e impiedosa
consome todas as minhas entranhas
enquanto tento fingir que tudo bem
com meus sorrisos e manias estranhas

Ele nunca dorme e nunca se cansa
mas eu já estou exausta de lutar
com esse ser que não vai embora
e me consome sem parar...